“Eu não suporto ficar sozinho”. Superando o medo com ou sem outras pessoas. 3 Mitos sobre a solidão e dicas para superá-los:

Por Luisa Maciel em 20 de outubro de 2016

Post-Luisa-Maciel-02

 

O medo de ficar sozinho é um medo muito comum. E ele faz certo sentido, pois somos seres sociais, isto é, que nascemos para viver em comunidade. Sabe-se que o isolamento social contribui para o aumento de sintomas de depressão e ansiedade, pois relacionar-se com as pessoas pode trazer uma série de emoções positivas e bem estar.  No entanto, muitas pessoas sentem certo pavor à ideia de estarem sozinhas. Isso pode se agravar ainda mais quando não possuem um companheiro amoroso. Muitas vezes temos ideias errôneas sobre estarmos sozinhos. Passamos a nos sentir impotentes, vulneráveis, desamparados e até mesmo fracassados por não termos alguém ao nosso lado. Diversos pensamentos surgem em nossa mente, que contribuem ainda mais para que esse medo tome conta. A consequência disso é ficarmos ainda mais tristes e desesperançosos da possibilidade de conhecer alguém e de suportar momentos onde estamos sem ninguém ao nosso lado. Não conseguimos acreditar que podemos conhecer novas pessoas e nem tampouco que poderemos curtir nossa própria companhia. Pensando nisso, o texto de hoje explora três mitos comuns que podem prejudicar as pessoas de lidarem com o fato de estarem sozinhas ou de buscarem conhecer novas pessoas:

“É difícil conhecer pessoas” – Muitas vezes o medo de não saber como conhecer pessoas novas faz com que tenhamos pensamentos de que não conseguiremos nos relacionar novamente. Muitas vezes nosso viés de atenção está tão focado nisso, que não percebemos que passamos por pessoas todos os dias e que se estabelecêssemos como meta conversar com pelo menos uma delas, provavelmente conseguiríamos.  Ainda, se prestássemos mais atenção, as vezes pessoas que estão na nossa rotina, porém que não conversamos, estão aguardando uma oportunidade para conversarem conosco.

“Se eu ficar sozinho, serei infeliz” – Ironicamente, quando você pensa que estar sozinho é sinônimo de estar infeliz, você não está sozinho: a sua crítica está lhe acompanhando. É como se todos os dias você tivesse uma companhia desagradável, que lhe diz uma série de depreciações pelo fato de você estar sozinho. Se a sua crítica fosse uma pessoa, como estar com ela te deixaria? Infeliz? Exatamente. Então olhe ao seu redor. Você está realmente sozinho? Não possuir um companheiro amoroso faz com que você também não tenha amigos, família, colegas de trabalho?

“Eu não posso fazer as coisas sozinho” – Esse mito é extremamente debilitante, pois afirma que há uma série de coisas que você não pode fazer sozinho. Algumas pessoas acreditam que se fossem a uma peça de teatro sozinhas, elas seriam “patéticas” ou “esquisitas”. Mas vamos analisar melhor essa regra. Qual a consequência de pensar que não se pode sair sozinho? Não poderia ser agradável? Ir ao cinema é ótimo com companhia, mas porque não podemos apreciar um filme do qual gostamos sozinhos? E quanto a sensação de que estar sozinho é esquisito, talvez seu viés de atenção esteja novamente tendencioso. Quando você vai aos eventos, será que você talvez não observe mais os casais e grupos de amigos? Talvez você não perceba que existem também pessoas que estão no evento sozinhas. E acredite, não são poucas! Passe a observar essa outra perspectiva e surpreenda-se que muitas pessoas fazem isso para não perderem programas dos quais gostam!

Concluímos então, que esses mitos trazem sofrimento para as pessoas e acabam por dificultar novas interações e a possibilidade de divertimento em programas sozinhos. Para lidar com essas situações, existem algumas dicas que podem ajudar na busca por atividades com pessoas e atividades que possam ser realizadas sozinho. Afinal, fazer programas consigo mesmo é uma excelente forma de se conhecer melhor e apreciar mais estar na sua própria companhia. Aqui vão algumas dicas:

 

– Finais de semana: planeje com antecedência! Olhe o que está acontecendo na sua cidade, quais bares, cafés e restaurantes estão sendo comentados, se há algum curso do seu interesse na cidade. Experimente algo novo! Com ou sem companhia, aventure-se!

– Olhe ao seu redor, perceba as pessoas que estão na sua volta. Passe a cumprimentar as pessoas que você encontra toda semana na academia e que você nunca deu oi. Cumprimente seus vizinhos, puxe assunto com seu colega novo de trabalho. Desafie-se a interagir com novas pessoas!

– Sabe aquele amigo que você não fala faz tempo, mas sempre que se lembra dele sente muito carinho? Porque você não manda uma mensagem? Relembre velhas amizades e inicie contato com elas.

– Busque atividades onde haja a possibilidade de conhecer novas pessoas. Academia, teatro, dança, cursos de sua área, trabalho voluntário. São formas de conhecer pessoas que partilham de um interesse em comum.

– E quando estiver realmente sozinho? Aproveite! Monte uma lista de atividades prazerosas e faça algo da sua lista! Por exemplo, você pode colocar uma música que goste, tomar um banho demorado, cozinhar sua comida predileta, alugar aquele filme antigo que você gostaria de assistir de novo. Ficar sozinho pode ser um tempo para você mimar a si mesmo, fazer dessa noite um bom encontro, com você mesmo. Aprenda a entender o que você precisa fazer por si mesmo para se sentir bem.

 

Fonte de referência: Vença a depressão antes que ela vença você – Robert Leahy.

Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone