Quem sou eu na fila do pão?

Por Everton Poubel Santana em 31 de janeiro de 2018

 

O filósofo Mario Sérgio Cortella, em sua palestra intitulada “Você sabe com quem está falando?”, traz ao público que o assiste a reflexão acerca de quem nós somos dentro do vasto universo. Resumidamente o filósofo explica que somos apenas um indivíduo dentre outros seis bilhões e quatrocentos milhões de sujeitos compondo uma espécie dentre três bilhões de espécies classificadas que vive em um planetinha, que gira em torno de uma estrelinha, que é uma das cem bilhões de estrelas, compondo uma única galáxia entre outras duzentas bilhões de galáxias em um dos universos possíveis e que vai desaparecer! A ideia central é mostrar que nós somos, na verdade, apenas uma parte ínfima de tudo que existe. É importante termos controle sobre o ego para um bom convívio social porém, desta palestra, também tiro um outro ensinamento importante para a saúde mental de todos: somos únicos e devemos nos valorizar!

Muitos têm aqueles conhecidos que, por vezes, se diminuem. Talvez isso possa ter acontecido até mesmo com você. Situações em que há um grande medo de aparecer para as outras pessoas na vida social ou profissional. Sobre a área profissional, que será o foco nesse texto, uma pessoa que não tem por característica vender a si mesma (no caso a ideia de quem ela é dentro do mundo do trabalho), por exemplo, poderá se prejudicar.

Tais pessoas possuem os conhecimentos técnicos necessários e habilidades excelentes para a execução das tarefas, mas pecam pela falta de atitude. Não raro essa falha profissional leva a pessoa ao sofrimento psíquico, sendo porque ela não consegue um emprego, seja porque não consegue clientes ou ainda porque não é um profissional de destaque dentro da sua área. Por causa de tais problemas, por vezes, adoecemos. A auto estima é abalada, perde-se o senso de resolução de problemas e se desenvolve uma crença de incompetência, que, por sua vez, criará um círculo vicioso ao entorno do sujeito, o impedindo de seguir adiante.

A partir da psicoterapia Cognitivo-Comportamental é possível criar novas estratégias para desenvolver o senso de competência e auto eficácia da pessoa, reestruturando erros na sua forma de pensar, que impactarão em seu comportamento e que a ajudarão a se desenvolver como profissional.

Dessa forma, é necessário muitas vezes fazer a pergunta para si mesmo: quem sou eu na fila do pão? Se respondendo a essa pergunta você se achar só mais um nessa vasta fila, possivelmente há uma necessidade de se avaliar os próprios passos dados até o momento e pensar um pouco mais nos próximos que virão. Caso você consiga ver que é único, insubstituível e com infinitas possibilidades em sua vida, então não se diminua. O universo pode até desaparecer um dia, mas você não precisa apagar o seu próprio brilho por causa disso.

Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone