Janeiro Branco

Por Cláudia Moraes em 16 de janeiro de 2018

O que é a campanha Janeiro Branco?

É uma ação que torna o mês de janeiro um marco para que todos reflitam, debatam e para que se planejem estratégias em prol da saúde mental, buscando soluções políticas, sociais e culturais para que o adoecimento emocional seja conhecido, prevenido e atenuado em todas as esferas e espaços.

No Brasil, 23 milhões de pessoas (12% da população) necessitam de algum atendimento em saúde mental. Pelo menos 5 milhões de brasileiros sofrem com transtornos mentais graves e persistentes. De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria, apesar das políticas de saúde mental priorizarem as doenças mais graves, como esquizofrenia e transtorno bipolar, as mais prevalentes estão ligadas à depressão, ansiedade e a transtornos de ajustamento.

Em todo o mundo, mais de 400 milhões de pessoas são afetadas por transtornos mentais ou comportamentais. Os problemas de saúde mental ocupam cinco posições no ranking das dez principais causas de incapacidade, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo estudos, a alta incidência de transtornos mentais é causada pela grande urbanização, associada com privações sociais. Os grupos mais vulneráveis são homens migrantes e mulheres que residem em regiões de alta vulnerabilidade social, ou seja, regiões de alto desemprego, baixa escolaridade e baixa renda.

As altas taxas encontradas demonstram a necessidade de discutir melhor o atendimento oferecido à população brasileira, repensando o planejamento de políticas de saúde mental. Programas de treinamento e educação para profissionais de cuidados primários precisam ser introduzidos ou aprimorados, juntamente com melhorias nos serviços da rede pública em geral. As políticas públicas devem ser voltadas para reduzir as desigualdades econômicas e melhorar a educação e segurança pública a fim de superar o círculo vicioso da pobreza, da violência urbana e de transtornos mentais, atuando diretamente para a promoção do bem-estar humano.

Além da preocupação com as políticas públicas, na esfera privada, ou seja, dentro de casa, na escola dos filhos, na empresa em que trabalhamos, é de extrema importância que se fale sobre sofrimento psíquico, suas consequências e o que pode ser feito para solucionar questões psíquicas conflitivas. Esse debate promove menos preconceito com as doenças psíquicas, também colabora para que as pessoas que estão passando por dificuldades procurem ajuda.

O Janeiro Branco vem para lembrar-nos de que o sofrimento mental é comum a todos, portanto todas as estratégias que se debrucem sobre este tema, seja no âmbito doméstico, escolar, organizacional e de políticas públicas, colaboram para atenuar a consequência do sofrimento.

E então, vamos conversar sobre o assunto?

Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone